Quem somos

A Cooperativa Eléctrica de Loureiro, constituída em sociedade cooperativa de responsabilidade limitada, foi criada no dia 26 de Dezembro de 1933.

Atualmente, a CEL possui 20 postos de transformação (PT) de energia elétrica, que asseguram o abastecimento energético de toda a freguesia de Loureiro. O aumento progressivo do número de PT, nos últimos anos, vem ao encontro do aumento populacional e industrial da nossa vila, permitindo assim a distribuição de corrente elétrica em todo o território de Loureiro.

Com o crescimento do número de PT, toda a rede elétrica beneficiou naturalmente de melhoramentos tanto ao nível de infra-estruturas como ao nível de equipamento.

A CEL compra a eletricidade em média tensão, a qual é transformada nos PT e posteriormente é direcionada para os pontos de entrega, ou seja, para as habitações, o comércio e a indústria.

Temos acompanhado o crescimento populacional e industrial da nossa vila, no sentido de garantirmos a todos loureirenses o fornecimento eficaz e a assistência necessária ao bom funcionamento da rede elétrica de Loureiro.

Pretendemos manter e reforçar o empreendedorismo dos fundadores da CEL e dar continuidade ao trabalho das direções que lhes sucederam, o qual permitiu manter viva esta instituição. Estamos atentos às mudanças no setor energético, a nível legislativo, e às novas tecnologias.

História

O início...

O início formal da associação, designada por COOPERATIVA ELÉCTRICA DE LOUREIRO, constituída em sociedade cooperativa de responsabilidade limitada, aconteceu à data 26 de Dezembro de 1933, como vem relatado na Ata da sua primeira Assembleia Geral de Sócios.

“Aos vinte e seis do mês de Dezembro de mil novecentos e trinta e três, pelas dezasseis horas, na escola oficial desta freguesia de Loureiro, concelho de Oliveira de Azeméis, estando reunidos em Assembleia Geral os sócios fundadores da Cooperativa Eléctrica de Loureiro, Limitada,....”

Nesse dia começou uma das grandes obras do povo de Loureiro, à semelhança de tantas outras que se fizeram antes e depois, movidas pela mesma sina de engrandecer a nossa terra, acudir às suas necessidades e servir os seus filhos. Com “dores de parto”? Seguramente! Com altos e baixos? Sim! Com imperfeições? Talvez! Com muito querer, sacrifício, determinação e bairrismo? Sem dúvida alguma!

Espírito empreendedor...

Foi talvez a necessidade de também poderem usufruir dos benefícios da eletricidade, que gradualmente se ia instalando pelo país, que acicatou o espírito empreendedor dos dez fundadores da Cooperativa e os motivou a lançarem-se na sua criação, com o objetivo social de adquirir e fornecer corrente elétrica para a iluminação pública da freguesia e para a iluminação e força motriz particulares dos seus diversos associados (Artigo 2.º dos primeiros estatutos).

Para podermos enquadrar o nascimento da COOPERATIVA ELÉCTRICA DE LOUREIRO no tempo, poder-se-á recordar que, segundo as crónicas, a primeira experiência realizada em Portugal sobre as vantagens utilitárias da eletricidade terá ocorrido em Lisboa, no Chiado, em 1878.

A realização da referida iluminação elétrica destinou-se a comemorar o aniversário do rei D. Luís e partiu da iniciativa da Câmara Municipal de Lisboa, utilizando para o efeito seis candeeiros de arco voltaico.

Em pleno ano de 1889, foi então montada a primeira rede elétrica de iluminação pública alimentada por uma central, pelas mãos da Sociedade Companhias Reunidas de Gás e Eletricidade.

Depois de Lisboa, outros municípios decidiram fazer o mesmo, mas na maioria dos casos em situações de manifesta precariedade, verificando-se frequentes e prolongadas interrupções de fornecimento.

Foi principalmente no primeiro quartel do século XX que se multiplicaram pelo país as instalações elétricas. Foi publicada a “Lei dos Aproveitamentos Hidráulicos”, que acaba por representar a primeira definição da “rede elétrica nacional”, sistematicamente estruturada nas atividades de produção, transporte e distribuição de energia elétrica.

Pode-se concluir que Loureiro, pela mão destes 10 Fundadores, enfrentou o desafio quando a oportunidade apareceu.

Ficaram na história!

Presidente da Direção: Manuel de Oliveira Castro;
Tesoureiro: José Maria Valente;
Secretário: António Gomes da Costa;
Suplente: José Maria da Silva:
Presidente do Conselho Fiscal: Padre Manuel da Silva Laranjeira;
Vogal: Albino Pereira Rainho;
Vogal: Firmino Dias de Oliveira;
Presidente da Assembleia Geral: António Rodrigues de Pinho;
1.º Secretário: Belmiro Valente;
2.º Secretário: Manuel Valente Marques Júnior.

77 anos de história...

Outras oportunidades surgirão para lembrar tantos outros que ajudaram a construir os quase setenta e sete anos de vida da atual COOPERATIVA ELÉCTRICA DE LOUREIRO, C.R.L., nomeadamente os diversos corpos diretivos que, ao longo do tempo, de forma empenhada, deram o seu contributo para o engrandecimento desta organização.

“... e como nada mais houvesse a tratar foi encerrada a reunião, da qual, para que tudo conste, se lavrou...”
este despretensioso texto.

RECUANDO NA HISTÓRIA DA ELETRIFICAÇÃO DO NOSSO CONCELHO, CONSTATAMOS COM ORGULHO QUE, DAS 17 EMPRESAS COMERCIALIZADORAS DE ENERGIA CUJA FUNDAÇÃO REMONTA À DÉCADA DOS ANOS 30 / 40 DO SÉCULO XX, APENAS A CEL SE MANTÉM ATIVA.

José Queirós Tavares

Contexto social

Atenta à realidade social da nossa vila, a CEL tem vindo a colaborar empenhadamente com os seus cooperantes e com as associações que prestam apoio social, cultural e desportivo.

Relativamente aos cooperantes, foram beneficiados com um bónus na sua fatura elétrica em diversas ocasiões.

Reconhecendo o papel fundamental que as diversas associações desempenham na sociedade loureirense, a CEL tem colaborado com as mesmas, ao longo dos anos, no sentido de apoiar, ajudar e estimular as suas atividades.

Apresentamos as 22 associações / entidades que apoiamos:

Banda Musica de Loureiro

Igreja Matriz de Loureiro

Salão Paroquial de Loureiro

Capela N.ª Srª da Alumieira (Alumieira)

Capela N.ª Srª do Livramento (Faial)

Capela N.ª Srª da Esperança (Quintã)

Capela S. Pedro e Stº António (Graciosa)

Coreto de Música da N.º Srª da Esperança (Quintã)

Comissão de festas N.ª Srª da Alumieira (Alumieira)

Comissão de festas N.ª Srª do Livramento (Faial)

Comissão de festas N.ª Srª da Esperança (Quintã)

Comissão de festas S. Pedro e Stº António (Graciosa)

Comissão de festas S. João (Igreja)

Arraial da Páscoa

Festas do padroeiro S. João Baptista

Junta de Freguesia de Loureiro

Outros:

Iluminação da cabine do telefone público

Estatutos da Cooperativa Eléctrica de Loureiro

Encontram-se disponíveis para consulta de todos os cooperantes os estatutos atuais da CEL em formato PDF.

Estatutos Abril 2015

Órgãos Sociais da Cooperativa Eléctrica de Loureiro, C.R.L. - Triénio 2016/2018

Mesa da Assembleia-Geral

Cargo Nome Nº de sócio
Presidente Óscar Manuel Fernandes de Castro 1257
Vice-Presidente Adérito António Castro Neves 1356
Secretário José António Oliveira Cardoso de Albuquerque 0140

Direção

Cargo Nome Nº de sócio
Presidente Sérgio Manuel da Silva Pinho 2039
Vice-Presidente Gabriel da Silva Pereira 1798
Tesoureiro António Castro Gonçalves 0617
Secretário Paulo Jorge Henriques Tavares 1424
Vogal Sara Marisa Oliveira da Silva Ferreira 1892
Vogal Maribel Castro Castro 10085
Vogal António da Cruz Martins Castro 0255
Suplentes Luís Miguel Pinto Soares 0433
Suplentes António Fernando Castro 0062

Conselho Fiscal

Cargo Nome Nº de sócio
Presidente António Augusto Teorgas Tavares 0057
Secretário Armando Tavares Oliveira Castro 1109
Vogal Manuel Augusto Gomes da Cruz 1789

Loureiro, 20 de março de 2016.

Missão Visão e Valores

Missão
A nossa missão é assegurar aos nossos cooperantes um serviço que responda às suas necessidades e expectativas relativamente ao fornecimento de energia, de uma forma fiável e obedecendo a elevados critérios de segurança, regulamentados por lei.

Valores
Para concretizarmos a nossa missão, assumimos uma cultura assente nos seguintes valores que a CEL herdou dos seus fundadores: seriedade, rigor, dinamismo, sentido de responsabilidade e inovação na realização das atividades.

Visão
Para a CEL manter um elevado grau de qualidade na prestação dos seus serviços e ao nível social, é necessário prosseguirmos com uma visão de futuro que acompanhe as mudanças no setor energético, a nível legislativo, tecnológico e humano, dotando toda a estrutura desta instituição com os meios necessários para se afirmar no futuro.

Área de concessão / Postos

Data da última atualização: 31.12.2016

Qualidade

Certificação

Do resultado da auditoria de renovação realizada por Organismo Certificador TUV Rheinland Portugal, Lda, no passado dia 09/11/2015, a CEL obteve a renovação da Certificação até 2018 segundo a Norma NP EN ISO 9001:2008 no âmbito da sua atividade como “Operador de Rede de Distribuição em BT (ORDBT), Comercialização e Manutenção da Rede Elétrica na Vila de Loureiro”.

Neste ciclo de certificação sucederam-se as auditorias de 1º. e 2º. Acompanhamento, realizadas em novembro de 2013 e novembro de 2014, respetivamente.

É com muito orgulho que partilhamos com todos os nossos cooperantes, parceiros, fornecedores e amigos o resultado da auditoria de renovação do SGQ, tendo-se verificado que o mesmo apresentou resultados globalmente positivos.

Destacam-se os seguintes pontos fortes identificados na auditoria de renovação:

  • Disponibilidade, empenho e envolvimento denotado nos colaboradores contactados.
  • Adequabilidade das infraestruturas.
  • Constantes melhorias introduzidas na rede.
  • Suporte documental de apoio às atividades desenvolvidas.
  • Melhorias introduzidas no software de gestão GESENERGY.
  • Resultados da avaliação efetuada pela ERSE.
  • Preocupações dos aspetos de segurança verificados em obra.

Desta forma, a CEL viu confirmado o elevado grau de empenhamento dos seus Dirigentes e Colaboradores, num esforço harmonizado de vivência dos princípios da Gestão da Qualidade e da procura continuada da melhoria das suas atividades.

Certificado 9001 PT

Política da Qualidade

A Cooperativa Eléctrica de Loureiro, C.R.L. define a sua Política da Qualidade orientada por vários princípios, de modo a melhorar continuamente a eficácia do seu Sistema de Gestão da Qualidade na atividade de Operador de Rede de Distribuição em BT, Comercialização e Manutenção da Rede Elétrica:

  • Orientar a actividade no sentido de satisfazer as necessidades dos seus clientes/cooperadores, em parceria com os seus fornecedores;
  • Cumprir os requisitos legais aplicáveis;
  • Proporcionar condições para garantir a segurança dos seus colaboradores;
  • Promover o bem estar, a melhoria contínua, aprimoramento humano e profissional dos seus colaboradores, estimular o trabalho em equipa, valorizar e potenciar as contribuições individuais, manter uma comunicação aberta, honesta, simples e consistente.
  • Disponibilizar cada vez mais melhores soluções, garantindo o controlo dos serviços prestados, com o objectivo de assegurar a devida Qualidade de forma a responder eficazmente às exigências e necessidades do mercado e satisfação global dos clientes/cooperadores.

De modo a sustentar estes princípios, a organização define um conjunto de objectivos que são divulgados e acompanhados internamente.

A Direção

17 de março de 2017

Organigrama

Política ambiental

A Cooperativa Eléctrica de Loureiro, C.R.L., está consciente das suas responsabilidades ao nível da preservação do ambiente, pelo que orienta a sua política pelos seguintes princípios:

Desenvolver a sua atividade, cumprindo o disposto na legislação e noutros regulamentos aplicáveis ou exigências que subscreva em matéria ambiental;

Trabalhar de forma a alcançar continuamente melhorias ao nível da preservação do ambiente, apostando na prevenção da poluição e tendo em conta os interesses das partes envolvidas, nomeadamente dos colaboradores, dos cooperantes e da sociedade em geral;

Promover o respeito por todos os recursos naturais em todas as suas áreas de intervenção, prevenindo a poluição e minimizando o impacte ambiental;

Promover, junto dos cooperantes, boas práticas na utilização racional da energia;

Sensibilizar os seus fornecedores e parceiros para a adoção de boas práticas na gestão ambiental.